quinta-feira, dezembro 18, 2003

Na cadeia com... II

Pois é, lá fui apresentar a festa na cadeia, lá distribuí um panfleto com uma mensagem cristã de Natal e dei uma mensagem, espero, de esperança.
Os artistas cantaram, contaram anedotas, o Nelo Silva e a Cristiana chegaram atrasados e não cantaram, distribuimos autógrafos e algumas lembranças, ouvimos alguns lamentos dos reclusos e trouxe alguns pedidos (músicas para tocar na rádio)
para satisfazer.
Antes de entrar naquele estabelecimento prisional tinha várias ideias para a minha mensagem de Natal (incluindo um tópico dado pelo Cigano) só que depois, ao olhar aqueles reclusos, sobretudo jovens, como é possível desejar bom Natal e falar de esperança?
Alguns estão abandonados pelas famílias e nem visitas têm.
Lembrei o menino Jesus, para destacar a pobreza em que nasceu e o Jesus já adulto que em pobreza continuou a viver.
Tendo tudo viveu como se nada tivesse. E mesmo assim, ou se calhar também por isso, foi a pessoa mais feliz à face da terra.
Não pude deixar de recordar um pensamento que li algures: "Estava triste por não ter sapatos até que vi alguém que não tinha pés".