sexta-feira, dezembro 19, 2003

Por onde passa a procissão

Sempre que posso vou fazer a minha marcha rápida na renovada marginal da Foz do Douro. Hoje foi um dos dias e lá tentei queimar algumas calorias sem deixar de reparar, mais uma vez, num contraste engraçado, que de engraçado nada tem.
Realmente a marginal está convidativa não fora o cheiro que que surge, graças aos esgotos que para o mar continuam a ser encaminhados, e à visão que se tem, sobretudo, na fase baixa da maré.
Aqueles esgotos a céu aberto... aquele cheiro...
Mas quando chegar o verão lá veremos os banhistas a tomar banho indiferentes à qualidade da água apesar dos políticos, por força da lei, fingirem que lembram ser a água imprópria, mandando afixar uns pequenos cartazes, esperançados que ninguém leia.
A verdade é que o "povão" regra geral não lê os cartazes ou se lê ignora-os. Não analisa as próprias análises que os técnicos realizam e são publicadas ou não lhe dão o mínimo crédito.
E lá vamos nós, acreditando que os politicos cuidam de nós, cheirando o irrespirável e mergulhando no imergulhável.
Estranho país este meu país.