segunda-feira, novembro 20, 2006

Campanários e Minaretes



Portugal vai ter, brevemente, a responsabilidade
de presidir à União Europeia.
Esta é sempre uma altura em que os países, que assumem tal responsabilidade, querem brilhar.
Daí que, regra geral, procurem assumir questões que possam dar projecção internacional.
Ora Portugal, na pessoa do seu ministro dos negócios estrangeiros Luis Amado, não foi buscar, própriamente, um coelho à cartola. Escolheu um dos temas mais mediáticos do mundo. As relações entre Israel e a denominada Autoridade Palestiniana.
De visita a Israel o responsável pela diplomacia portuguesa disse que se sentia entre Campanários e Minaretes, numa alusão às influência de duas grande religiões: Católica e Muçulmana. Mas não deixou de visitar também o Muro das lamentações, um dos maiores símbolos existentes do judaismo.
Mas, na chamada crise do Médio Oriente, o que pode Portugal fazer que outros já não tenham feito? Fala-se de uma nova conferência internacional... Ok. lá vamos nós voltar ao "diálogo de surdos".