terça-feira, setembro 21, 2004

Petrogal em Leça da Palmeira

Este é um assunto sempre em cima da mêsa. Os acidentes vão tendo lugar, pondo em causa segurança e ambiente, e as reacções vão surgindo e desaparecendo. Por isso, uma vez ouvimos dizer que vai encerrar depois, tendo em conta os postos de trabalho e a economia a norte, não pode encerrar, e isto de forma sucessiva.
Os papões apresentados para não encerrar:(os postos de trabalho, a economia, os espanhois, os interesses imobiliários) serão suficientes para fazer esquecer, sobretudo aos leceiros, que vivem sob um gigantesco barril de crude?
Terão os mesmos motivos para confiar nas medidas de segurança, adoptadas ou a adoptar pela empresa?

Eu acho muito bem que Santana Lopes tenha encomendado o tal estudo que vai demonstrar se a empresa pode ou não continuar a laborar.
Concordo também com Narciso Miranda que diz que, caso a empresa venha a encerrar, a acção seja antecedida por um debate que envolva todas as partes interessadas.