segunda-feira, abril 26, 2004

Recordações IV

"Na guerra não há ateus" É uma afirmação tirada da sabedoria popular, mas que nem sempre corresponde à realidade. O comandante da Companhia onde eu estava integrado dizia-se agnóstico. Entre sargentos e oficiais poucos eram os que criam em algo para além desta vida.
Certa vez estava eu a integrar um grupo que deveria fazer, naquela noite, "segurança afastada". Saíamos do acampamento vedado por arame farpado e instalávamo-nos em sítios (nunca eram os mesmos) onde sabíamos ser passagem obrigatória do "inimigo" sempre que nos queria atacar de perto (com armas ligeiras).
Ao fim da tarde desse dia as coisas não correram como o normal. Em lugar de sairmos assistimos a uma manifestação de desagrado por parte do Furriel que deveria comandar o grupo. Este reclamava a presença de um oficial sem o qual, garantia, não sairia.
O Comandante foi mesmo chamado e, por entre argumentos, lá convenceu o Furriel a sair. Estávamos já a caminhar quando o Comandante, de repente, exclamou: "E daí não. Hoje ninguém sai do acampamento. Voltem para as vossas secções" E assim fizemos.
Estávamos já a despir a farda de saída qaundo ouvimos o som de um poderoso ataque das forças inimigas mas, curiosamente, nenhum do fogo estava a cair dentro do acampamento. Contactamos o quartel mais próximo a saber se o ataque estava a cair sobre ele mas fomos informados que não.
No dia seguinte tudo ficou esclarecido. O terreno para onde nós deveríamos ter ido, naquela noite, foi arrasado por granadas de morteiro. Todo o terreno estava esburacado e se lá estivéssemos poucos de nãs teríam escapado.
Quando o Comandante tomou conhecimento da situação exclamou: "É demais para ser só sorte" Ele sabia que, como em muitas outras situações que vivemos, apesar da intensidade do fogo apenas um soldado portugês foi atingido mortalmente. Os próprios feridos eram sempre ligeiros.
Ele não sabia na altura mas muitos cristãos estavam a orar por mim e eu acredito que Deus nos protegeu daquele, (como dos outros) mais que certo, massacre.