sábado, novembro 03, 2007

Viver de Forma Egocêntrica

"Primeiro, levaram os judeus.
Mas não falei, por não ser judeu.
Depois, perseguiram os comunistas.
Nada disse então, por não ser comunista.
Em seguida, castigaram os sindicalistas.
Decidi não falar, por não ser sindicalista.
Mais tarde, foi a vez dos católicos.
Também me calei, por ser protestante.
Então, um dia, vieram buscar-me.
Mas, por essa altura, já não restava nenhuma voz
Que, em meu nome, se fizesse ouvir."

(Poema do pastor protestante anti-nazi Martin Niemöller, citado pelo Dr. Garcia Pereira num artigo publicado no SEMANÁRIO)

3 comentários:

JOINCANTO disse...

Interessante poema.

Os regimes opressores (também os existem religiosos), procuram sempre silenciar a voz dos que se lhes opõem. Ficar calado diante disso é ser coniventemente culpado.

Os protestantes têm uma longa história de perseguição e de luta pelos direitos de Deus e dos humanos, mas infelizmente também faz parte da nossa história momentos de um silêncio cúmplice diante de muitas outras perseguições.

Abraço

José Carlos disse...

O silêncio dos cristãos na época do nazismo (incluindo a igreja luterana na Alemanha)foi insurdecedor.
Lamentávelmente.

Arrevezado disse...

A posição da igreja protestante alemã, durante a ascenção do nacional socialismo de Hitler, oscilou simplesmente entre o silêncio dos fieis e a voz concordante dos bispos Luteranos. Em 1934, todos os bispos Luteranos afirmaram a sua incondicional lealdade ao novo governo (Wihelm Niemolier - Hitler und die Evangelischen Kirchenfurer, 1956, página 62), segundo os mesmos, não havia razão para levantar nenhuma forma de oposição, uma vez que o Terceiro Reich não representava nenhuma nova religião que tentasse substituir o Cristianismo.

Em nenhuma altura da reforma protestante a igreja alemã se desligou do espírito imperialista da sua pátria, mesmo quando o cumprimento desse espírito implicou a prática demoníaca do Holocausto. A igreja Baptista americana também não se parece incomodar com os exageros imperialistas do seu presidente, muito pelo contrário.

Já agora, o único movimento cristão americano que se opõe à guerra é a igreja minoritária Brethren (Irmãos), estes irmãos recusam-se a cumprir o serviço militar e são conhecidos por não votarem nas eleições americanas. Como é óbvio são um grupo apelidado de fundamentalista e condenado à extinção...