quinta-feira, dezembro 14, 2006

Raptaram o menino Jesus


Em Lisboa, de um presépio em exposição, raptaram a figura do menino Jesus. Nada de grave já que é fácil repor tal figura. Pior do que isso é o que alguns tentam fazer ao quererem "raptar" Jesus da vida diária dos portugueses.
Com base na filosofia, que também defendo, de que o estado deve ser laico, acha-se muito normal, por exemplo, ensinar os alunos das escolas sobre o evolucionismo mas não sobre o criacionismo. Ora até um estado laico precisa entender que, dada a existência das duas correntes, é um imperativo democrático que as duas possam ser ensinadas, sem qualquer tipo de preconceito.
Não esquecer que aquilo que a Bíblia ensina também faz parte da cultura portuguesa e é preciso saber respeitar isso.
Grave é também tentar-se "raptar" Jesus das festividades do Natal, substituindo-o pelo pai Natal, pelo consumismo, pela família, pelas tradições, etc.
Convém não esquecer que sem Jesus não haveria Natal.