quinta-feira, junho 29, 2006

As "filosofices" do Luís

O Luís, rapaz formado e que se julga bem informado, conversa várias vezes comigo sobre, como ele diz, religião. Quando se sente "apertado" pelos meus argumentos lança-me a frase que tem sempre de reserva: "Eu só acredito no que vejo". Por isso, diz, não acredita em Deus porque nunca O viu.
Não falta por aí quem pense como o Luíz. É a forma, mais simples, que eles encontram para pôr fim a uma discussão que os incomoda. Quando a pessoa nega, insistentemente, a existência de Deus consegue, por vezes, convencer-se de que o que está a dizer é verdade. É a velha táctica de "repetir muitas vezes uma mentira para que se torne verdade".
Quando a pessoa se recusa a aceitar a existência de Deus não adiante combater o seu pedido: "Prova-me, científicamente, que Deus existe" com outro: "Prova-me, cientificamente, que Deus não existe". Inútil é, igualmente, lembrar às pessoas que a energia existia e que durante muito tempo a humanidade a ignorou porque não a via. Ou que as ondas de rádio sempre existiram e foram ignoradas durante séculos porque não eram visíveis. Ou lembrar aos tais que Deus se revelou em Jesus Cristo, que chegou mesmo a afirmar: "Quem me vê a mim vê o Pai".
O grande problema, para os que ignoram Deus, é que um dia vão vê-lo mas, nessa altura, será muito tarde.
Melhor fariam se colocassem de parte preconceitos contra a Bíblia, que não conhecem, e a analisassem de espírito aberto. Então Deus se lhes revelaria.
Será bom lembrar que Deus se revela, apenas, a quem o busca de todo o coração e jámais se revelará a quem o quer ignorar.