terça-feira, janeiro 10, 2006

"Guerra de alecrim e manjerona..."

Jerónimo de Sousa abespinhou-se com Manuel Alegre por este ter evocado a memória de Alvaro Cunhal. Só faltou ao candidato comunista gritar "Cunhal é meu, Cunhal é meu...".
Entretanto Cavaco Silva continua a dar a ideia de que vai ser Primeiro Ministro, Mário Soares já vê o fantasma de Berlusconi na comunicação social portuguesa, Francisco Louça continua a tentar fazer melhor fugura que Jerónimo de Sousa e, pasme-se, Garcia Pereira apresentou-se (em entrevista ao Primeiro de Janeiro) como salvador da pátria.
Esta campanha eleitoral está a transformar-se numa "guerra de alecrim e manjerona".