quarta-feira, abril 27, 2005

A morte espreita em cada esquina...

Chamava-se Nelson Fernando Peneiras, tinha apenas 19 anos e mudou-se, recentemente, para o bairro onde resido. Via-o quase todos os dias, às vezes à porta de uma taberna na Cruz de Pau (Matosinhos) mas nunca tive oportunidade de falar com ele.
Ontem foi o choque. Uma folha A4, afixada por uma agência funerária na entrada do prédio onde resido, não deixava margem para dúvidas. O rapaz tinha morrido num acidente de viação. Viajava, atrás, na moto conduzida pelo irmão mais velho e alguém foi contra eles. O irmão, que conduzia a moto, ficou ferido numa perna, o Nelson morreu.

Hoje foi o funeral.

A morte espreita em qualquer esquina. Porque é que nunca nos lembramos disto?