segunda-feira, julho 12, 2004

A morte surpreende sempre.

"Estive, recentemente, com ela. Pareceu-me fisicamente débil mas nada levava a crer este defecho..." Assim comentava Mário Soares a morte de Maria de Lurdes Pintacilgo.
Neste últimos dias fomos confrontados com a morte de figuras bem comhecidas. Sofia, Henrique, Maria de Lurdes, etc..
Se nos lembrarmos que morrem várias pessoas no mundo a cada minuto que passa, sem dúvida, encararemos a morte como algo comum e nunca como algo excepcional.
Lembremo-nos que, um destes dias, alguém irá ao nosso funeral. A única diferença é que, se calhar, nem na morte somos colunáveis.
Mas o importante é estarmos, sempre, preparados para morrer. É que a morte espreita em cada esquina e quem não está preparado para morrer não está preparado para viver.